Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Mistura Fina | Nelson Coelho de Castro

  • Data:

Sinopse
Ao lado de nomes como Bebeto Alves, Nei Lisboa, Gelson Oliveira e Vitor Ramil, Nelson Coelho de Castro faz parte de uma geração de artistas que conquistou um grande público tanto em termos regionais como nacionais, acabando por delinear percursos da música do Rio Grande do Sul. Neste show solo de voz e violão, o cantor e compositor revisita canções autorais que marcaram sua trajetória nas últimas quatro décadas e dá continuidade a uma série de ações de retomada de contato com o público, como o lançamento de sua obra completa nas plataformas digitais de streaming de música, junto de um álbum inédito, Umbigos Modernos, e o retorno aos palcos em 2021 com um espetáculo em comemoração aos 40 anos de Juntos, álbum que tem lugar de destaque na história da música gaúcha por ser a primeira produção independente do estado.

Sobre o artista
Nelson Coelho de Castro faz parte da geração de grandes compositores gaúchos surgidos no final da década de setenta e tem seu trabalho reconhecido pelo público e pela crítica por seu talento e trajetória. Na história recente da música popular gaúcha tem papel de destaque, por exemplo, ao fazer parte do antológico LP Paralelo Trinta, de 1978 e por lançar, em 1981, o LP “Juntos”, o primeiro disco independente produzido no Rio Grande do Sul. Já recebeu vários Prêmios Açorianos de Música como compositor, por seus discos e espetáculos. Nelson possui ao longo de sua carreira diversos sucessos como: “Faz a Cabeça”; “Armadilha”, que fez parte da trilha sonora do filme “Verdes Anos”; “Zé, Aquele Tempo do Julinho”; “Vim Vadiá”: “Força D’Água; “Verte – Algo Teu” entre outros.
Desde sempre seguindo a linha evolutiva da música popular brasileira com distinta dicção e originalidade, Nelson possui uma discografia de 12 discos, entre trabalhos solos e coletâneas. Vem fazendo inúmeros shows por vários Estados brasileiros e por países como a Alemanha, França, Áustria, Uruguai e Argentina. Prêmios Açorianos de Música, Teatro e Prêmio Tibicuera de Teatro para Crianças: Melhor Musical Infantil com A Cidade do Lugar Nenhum, 1983; Melhor Trilha para Teatro,
Peça “O Pulo do Gato”, 1985; Melhor Compositor, Melhor Disco de MPB e Melhor Disco do Ano em 1997 com o CD "Verniz da Madrugada"; Melhor Espetáculo do Ano e Disco do Ano com "Juntos Ao Vivo" (ao lado de Gelson Oliveira, Bebeto Alves e Totonho Villeroy); Melhor disco de samba com o cd Da Pessoa, em 2002. Prêmio Açorianos de Música como Homenageado do Ano pelo Conjunto da Obra, 2016.

Theatro São Pedro