Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Musical Évora | Cintia de los Santos (soprano) e Rodolfo Wulfhorst (piano)

  • Data:

O Musical Évora do dia 17 de agosto (quarta), recebe a soprano Cintia de los Santos e o pianista Rodolfo Wulfhorst. O recital ocorre no Foyer Nobre do Theatro São Pedro em apresentação única, às 12h30, com entrada franca. 

Com a intenção de valorizar e aproximar o gênero erudito ao público, os artistas Cintia de los Santos, Soprano e Rodolfo Wulfhorst, pianista, selecionaram Canções Eruditas Brasileiras exclusivas dos compositores: Carlos Gomes, Hekel Tavares, Camargo Guarnieri, Jayme Ovalle, Heitor Villa-Lobos e Francisco Mignone.

Sobre os artistas

Cintia de los Santos, Soprano Lírico, iniciou os seus estudos musicais com sua mãe aos seis anos de idade. Atua como como intérprete e preparadora vocal desde 1992 em cidades do Brasil e exterior. Estudou com cantores e professores renomados internacionalmente, sendo aceita na Schola Cantorum de Basel, Suiça, Conservatório de Música de Lyon, França, Tokio Geidai University/Japão para Mestrado em Canto Barroco e University of Southern Mississippi/EUA para Mestrado em Ópera. Em 2004 destacou- se como a primeira soprano lírico brasileira a cantar as obras barrocas “O Messias” de G.F. Händel e “Paixão Segundo São Mateus” de J.S. Bach na Sala de Concertos da Cidade Proibida de Pequim, China, sob a regência de Nicholas Smith (Inglaterra). É vencedora do Prêmio Açorianos de Música 2020 como melhor intérprete de música erudita pelo CD “Serenata – Canções para Soprano e Fortepiano”. Com a parceria musical do pianista Rodolfo Wulfhorst interpreta repertório erudito que acolhe composições de músicos Brasileiros, Latinos e Norte-Americanos, com o objetivo de divulgar e aproximar este gênero musical ao público.

Rodolfo Daniel Wulfhorst é natural de Ijuí/RS. Começou a estudar piano aos 8 anos de idade com sua mãe, Dorothea Wulfhorst. Formado em Ciências da Computação, concluiu seu mestrado em Inteligência Artificial aplicada à Música em 2002 (UFRGS). Concomitantemente estudou piano com Ney Fialkow pelo Curso de Extensão em Música do Instituto de Artes da UFRGS. Desde 1992 atua como pianista acompanhador, tendo atuado com conceituados músicos do cenário erudito gaúcho e brasileiro. Tem extensa atuação como pianista em montagens de óperas em formato "de bolso", destacando obras de Donizetti (L ́Elisir d ́Amore), Pergolesi (Serva Padrona), Mozart (Flauta Mágica, Bastien und Bastienne, Bodas de Figaro), Verdi (Traviata, Rigoletto e Otello), Puccini (Madama Butterfly, La Bohème), Gounod (Romeu e Julieta), Bizet (Carmen) Leoncavallo (Pagliacci), Bernstein (West Side Story), Debussy (L’Enfant Prodigy). Participa atualmente dos projetos “Terça Lírica” e "Arte Lírica", que ocorrem, respectivamente no Palácio da Justiça de Porto Alegre e no Foyer do Teatro São Pedro em Porto Alegre. Como pianista e organista, participou ainda da realização de obras corais como: Requiem de Mozart (Grupo Provox sob regência de Guilherme Rodrigues e preparação vocal de Elisa Machado), Gloria de Vivaldi (Madrigal Presto, sob regência de João Paulo Sefrim) , Requiem de Fauré (Grupo e Orquestra Cantabile sob regência Delmar Dickel), Cantatas de Dietrich Buxtehude (Orquestra e Coro da UCS, sob regência de Manfredo Schmiedt), Lobgesang de Mendelssohn (regência de Manfredo Schmiedt), Magnificat de John Rutter (coros da UFRGS, PUC e Cantabile, sob regência de Márcio Buzatto) entre outros. Atualmente atua ainda como organista e pianista na Igreja da Reconciliação em Porto Alegre e na Comunidade Evangélica de Canoas.

Programa

Hekel Tavares (1896-1969): “Azulão” (1929) Texto: Luiz Peixoto de Castro (1889-1973)
Camargo Guarnieri (1907-1993): “Vai, Azulão” (1939) Texto: Manuel Bandeira (1886-1968)
Jayme Ovalle (1894-1955): “Azulão” Texto: Manuel Bandeira (1886-1968)
Francisca Gonzaga (1847-1935): “Lua Branca”
Carlos Gomes (1836-1896): “Quem Sabe?” Texto: Bittencourt Sampaio (1834-1895)
Heitor Villa-Lobos (1887-1959):
“Canção do Poeta do Séc.XVIII” (Modinha) Texto: Alfredo Ferreira (1865-1944)
“Impressões Seresteiras” * para piano solo
“Canção de Cristal” Texto: Murillo Araujo (1894-1980)
“Nesta Rua” (1943) de Modinhas e Canções 2o Álbum No3
Francisco Mignone (1897-1986):
“Valsa de Esquina No 4* para piano solo
“Quando uma flor desabrocha”
“Flor Andaluza” (1932)
“A Folhinha da Pimenta”
“Alma Adorada”

Theatro São Pedro